Colégio Agrícola Augusto Ribas, Educação e Técnica a Serviço da Agricultura.

quinta-feira, 23 de novembro de 2017

Atividades marcam ‘Dia da Consciência Negra’ no Agrícola

Atividades marcam ‘Dia da Consciência Negra’ no Agrícola.

por Assessoria de Imprensa

Danças folclóricas, palestra, exposição de banners e cartazes marcaram o movimento cívico alusivo à Semana da Consciência Negra, nesta terça-feira (21), no Colégio Agrícola Estadual Augusto Ribas (CAAR) da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). O evento reuniu alunos, professores, funcionários e convidados no auditório do colégio, no Campus Uvaranas. “O objetivo é contribuir para o conhecimento e reconhecimento da importância dos negros na formação cultural e social do Brasil”, diz o diretor do CAAR, Jail Bueno.
Segundo o diretor do CAAR, o tema objeto de estudos da equipe multidisciplinar do colégio, coordenada pela professora Neusa Cenci. Dentro do projeto “A beleza, a riqueza e a resistência dos povos africanos, afro-brasileiros e indígenas”, foram desenvolvidas diversas atividades, envolvendo as diferentes disciplinas. Entre elas, Danças Folclóricas (Educação Física); Criação de mosaicos com simbologias étnico-raciais (Matemática e Arte); História da produção da cachaça (Química, Agroecologia e Produção Animal); África e escravidão (História); Semente Crioula (Agroecologia e Infraestrutura); e Hábitos alimentares indígenas (Horticultura).
Uma das atividades destacadas pela equipe multidisciplinar é a Oficina de Bonecas Abayomi, desenvolvida pela professora Beatriz Góes com alunos do 3º ano C do curso de Técnico em Agropecuária, com envolvimento dos estudantes das demais séries e turmas. As bonecas simbolizam a resistência dos negros trazidos da África em navios. Para amenizar o sofrimento dos filhos na embarcação, as mães rasgavam as próprias vestes para confeccionar pequenas bonecas, com tranças e nós, que serviam de amuleto de proteção.
As bonecas ficaram conhecidas como Abayomi, ‘encontro precioso’, na língua Iorubá, uma das maiores etnias africanas, que povoava a região onde hoje se localizam a Nigéria, Benin, Togo e Costa do Marfim. As bonecas Abayomi e outros projetos serão levados à exposição promovida pelo Núcleo Regional de Educação (NRE) de Ponta Grossa, nesta quarta-feira (22), no Centro Estadual de Educação Profissional de Ponta grossa (CEEPPG), reunindo trabalhos de toda a rede pública estadual do município.
A palestra com o tema ‘Educação e Diversidade: relações étnico-raciais na escola’, foi proferida pela professora Lucia Mara de Lima Padilha (Departamento de Educação) e a agente universitária Nilvan Laurindo Souza. Elas destacaram a riqueza dos trabalhos pedagógicos desenvolvidos pela equipe multidisciplinar do CAAR. “É importante para os alunos poderem vivenciar essas experiências e conhecerem mais a fundo a cultura afro-brasileira”, disse Nilvan Laurindo, contando que desenvolve projeto de extensão, levando essa temática a escolas e comunidade quilombolas.
Para introduzir o tema, as palestrantes apresentaram o videokê da canção ‘Olhos Coloridos, composta pelo músico Macau, vítima de racismo, e que se consagrou na voz da cantora Sandra de Sá. “Trata-se uma canção de protesto, um manifesto contra o racismo”, disse Nilvan Laurindo, explicando que a Macau compôs em 1970, após ser preso injustamente em uma exposição numa escola pública do Rio de Janeiro. A canção se tornou um símbolo do orgulho negro no Brasil.
 Nilvan Laurindo observa que a proposta do projeto de extensão que desenvolve é ir além da ideia da escravidão e do sofrimento da população negra. “A ideia é mostrar o orgulho de ser negro, a partir de um sentimento reconhecimento e pertencimento à uma etnia que é muito rica e tem papel de relevância na formação cultural do povo brasileiro”, completa, ressaltando que o projeto visa também desmistificar a imagem do continente africado, sempre associada a fatos negativos, como fome, guerra e subdesenvolvimento.
O Dia Nacional da Consciência Negra foi instituído no Brasil oficialmente te em 2011. A data escolhida, 20 de novembro, se refere ao dia atribuído à morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Ele foi o último dos líderes do Quilombo dos Palmares, o maior dos quilombos do período colonial. A data foi escolhida pelo movimento negro, com dia de reflexão sobre a inserção do negro na sociedade brasileira.

  Fonte: UEPG

terça-feira, 14 de novembro de 2017

Teste Seletivo - Últimos Dias

Atenção!
Últimos dias para realizar a inscrição para o Teste Seletivo para 2018.

Acesse o link abaixo e veja a documentação necessária.

Informações AQUI.

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

ATENÇÃO: Rematricula



UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA
COLÉGIO AGRICOLA ESTADUAL AUGUSTO RIBAS
Informamos Sr(s) pais e/ou responsáveis legais que no período de 16/11/2017 a 30/11/2017, realizaremos as rematriculas, na secretaria do Colégio Agrícola Estadual Augusto Ribas, das 8:00 às 11:00 horas e das 13:00 às 16:00 horas.
Favor trazer fotocopia da fatura da Copel, atual, em nome dos pais e/ou responsáveis legais para atualização de cadastro.
Os pais e/ou responsáveis devem trazer documento para identificação no ato da rematricula.
A Direção.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Colégio Agrícola recebe kit do Programa Agrinho Solos

O kit vai contribuir para a melhoria crescente das aulas do colégio – e responde ao objetivo do Programa Agrinho em auxiliar na profissionalização dos futuros técnicos agropecuários no importante trabalho na conservação e correto manejo de solos


por Marilia Woiciechowski

O Colégio Agrícola Estadual Augusto Ribas (CAAR), vinculado à UEPG, viveu, nesta quinta-feira (26 de outubro), mais uma etapa do Programa Agrinho – Solos, quando da solenidade de entrega do kit-solo que irá beneficiar os professores e alunos do estabelecimento em suas atividades práticas na área. As ações do Agrinho – Solos têm promoção através do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-PR), pertencente ao sistema FAEP (Federação da Agricultura do Estado do Paraná). No Paraná, o Agrinho é o maior programa de responsabilidade social do Sistema FAEP, resultado de parceria entre várias instituições públicas e privadas.
Por sua participação no programa, o CAAR recebeu o kit formado por quatro trados (tipo holandês); trena de 30 metros; clinômetro digital; estufa para secagem de solo com circulação de ar e aquecimento de até 200° C; GPS portátil; e jogo de peneiras para análise granulométrica. O gerente técnico do SENAR-PR, Eduardo Gomes de Oliveira, diz que “o Agrinho é um investimento no futuro dos alunos que integram o programa e na valorização da produção rural”. Observa que se trata de um kit básico que irá contribuir para a crescente melhoria das aulas da disciplina de solos – e somar nos materiais do Laboratório do Colégio.
Suporte nas Aulas
O técnico considera o kit como um suporte para a evolução das aulas e no repasse de técnicas aplicadas na área. “É o primeiro ano da proposta que chega para unir os alunos dos colégios agrícolas com a comunidade dos municípios em que estão inseridos”, diz. Nos colégios agrícolas, como explica Eduardo, as ações do programa registram a participação de alunos das terceiras séries que desenvolvem projetos sobre solos com orientações e enfocando pontos, a exemplo da importância solo e da preservação desse patrimônio; sustentabilidade da agricultura; e valorização da produção rural. Eduardo parabenizou o trabalho desenvolvido pelos alunos do CAAR. “As conquistas registradas no programa são o resultado de um trabalho bem feito – e da resposta dos alunos em aceitar os desafios do Agrinho”.
Para Eduardo, a importância do Agrinho está na oportunidade de sensibilizar professores, alunos e as crianças que integraram o programa acerca da importância dos cuidados com o solo para a agricultura e para a vida Na oportunidade, disse: “Os colégios agrícolas formam profissionais que vão atuar junto a produtores como técnicos extensionistas rurais. Transferir o conhecimento técnico valioso para as mudanças das práticas no campo. Vão estar no mercado de trabalho para atender o produtor rural em suas necessidades na área. O técnico enfatiza, no Agrinho, a presença do Senar na conscientização do significado dos trabalhos relacionados à conservação do solo por se tratar de um tema que preocupa o setor produtivo.
Impulso na Aprendizagem
O supervisor regional do Senar, Felipe Preto Grzebielucka, trata da importância da participação do CAAR no Agrinho – Solos, considerando as contribuições que se somam em um trabalho que já realiza há dois anos com alunos do Colégio. “A participação no programa significa um impulso na aprendizagem dos alunos”. Diz que a temática do programa contribui ainda mais para na formação com qualidade dos alunos. Ainda coloca a oportunidade do programa como mais um desafio para o ensino e aprendizagem na área. Também registra como significativa a oportunidade dos participantes em sua aproximação com alunos do ensino fundamental do município. “É um ganho na aprendizagem e na parte da aquisição de mais conhecimentos sobre solos.
Como exemplifica Felipe, os alunos do CAAR têm a chance ampliar os conhecimentos já obtidos nos cursos propostos com o programa Jovem Agricultor Aprendiz (JAAR), registrando conhecimentos sobre a parte da extensão rural; do contato com os produtores rurais; na gestão de negócios, e no repasse de informações sobre temas da área. Ao considerar os resultados da participação dos alunos do CAAR no programa, o supervisor diz que são reflexo do trabalho na formação de profissionais conscientes dos desafios da área. “Nosso maior princípio, hoje, refere-se à formação de profissionais melhores para o mercado de trabalho”. O que para Felipe Grzebielucka significa formar profissionais capacitados em pensar e contribuir com os produtores rurais em suas ações no campo.
Consciência e Premiação
O diretor do CAAR, Jahil Bueno, na solenidade disse que, “no Brasil temos muito ainda para assimilar em tecnologia e produção na área - e na responsabilidade no repasse de informações para que nossas crianças cresçam com a consciência da preservação do solo”. Considerou o momento da entrega do kit – solo como significativo para acentuar o privilégio da participação do CAAR no Programa Agrinho – Solos, que resultou em premiações para alunos e professores do colégio. Num olhar em retrospectiva, recordou o convite para o estabelecimento integrar o programa que, em 2017, propôs o tema “Conservação de solos: sustentabilidade que garante o amanhã”. Nesse sentido, pontuou o espaço da palestra proferida por Cleverson Andreolli, especialista na área de solos, como o início da participação do CAAR no Agrinho – Solos.
Na sequencia à palestra que reuniu professores e 300 alunos do Colégio, o diretor coloca a presença dos alunos que aderiram ao programa em um curso de formação específica (16 horas) sobre conservação do solo, ministrado em junho de 2017. Após essa etapa, os alunos participaram de dinâmicas, observando-se temas selecionados na área, sob orientação dos professores Adalci Leite Torres e José Elias Adamovicz, da disciplina de Solos do CAAR. Também com o suporte da equipe pedagógica do Colégio, os alunos confeccionaram maquetes e dinâmicas com mensagens sobre solos para apresentação em 14 escolas municipais, atendendo mais de mil alunos. O diretor explica que, após, chega-se à fase da confecção do vídeo (três minutos), que retrata a experiência dos alunos nas apresentações nas escolas.
O próximo momento de satisfação no Agrinho – Solos, como destaca o diretor do CAAR, é a presença de professores e alunos do colégio na solenidade de premiação do programa, na próxima segunda-feira (30 de outubro), às 8h30, no ExpoTrade, em Pinhais - região metropolitana de Curitiba. Na solenidade, vão estar Eduarda Aparecida Rubiki, aluna premiada, no Concurso de Vídeo – terceiro ano Colégio Agrícola - ensino médio; e o professor Adalci Leite Torres, um dos classificados em experiência pedagógica. Jahil Bueno registra o entusiasmo dos alunos em participar da próxima edição do Agrinho – Solo. Nessa direção, ressalta a responsabilidade das turmas de terceiro ano que estarão em ação em 2018, diante da destacada presença dos alunos em 2017.
Fonte: UEPG

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Colégio Agrícola comemora 80 anos de fundação

A comunidade do Colégio Agrícola Estadual Augusto Ribas (CAAR), vinculado à Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), viveu uma tarde de gala, na última quarta-feira (6). Com a realização de um momento cívico, premiação de concursos, inauguração de galeria de fotos históricas, plantio de árvores e uma confraternização, professores, alunos, familiares e convidados comemoraram a passagem dos 80 anos do colégio, fundado em 17 de setembro de 1937.
Fonte: UEPG por Assessoria de Imprensa


Na abertura, do diretor Jail Bueno fez um breve histórico do CAAR, criado com a denominação de Escola de Trabalhadores Rurais. Passou à administração da UEPG em 1980, mesmo ano em que universidade recebeu a área do antigo Parque de Exposições de Ponta Grossa, para a instalação do Campus Uvaranas, onde se localiza o colégio. Ganhou a denominação de Colégio Agrícola Estadual Augusto Ribas em 1963.
Atualmente, segundo Jail Bueno, a família do CAAR conta com cerca de 300 alunos no curso de Técnico em Agropecuária (regime de internato e externato) e aproximadamente 80 profissionais, entre professores, gestores, agentes universitários e estagiários. “Nosso objetivo é prestar serviços com excelência”, diz o diretor, comentando que a qualidade do ensino ministrado no CAAR se revela no desempenho dos alunos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). “Por sete anos consecutivos, somo a melhor escola entre as instituições públicas da região”.
A chefe do Núcleo Regional de Educação, Maria Izabel Vieira reverenciou os 80 anos do CAAR, afirmando que na sua trajetória o colégio vem contribuindo para o desenvolvimento da região dos Campos Gerais. Lembra que o Agrícola recebe alunos de várias cidades e até de outros estados. “Esses jovens vêm para cá, retornam a suas casas e com o conhecimento adquirido fazem a diferença, muitas vezes transformando e multiplicando os negócios da família. Ressaltou a gestão da UEPG também como um diferencial, que faz do CAAR um colégio bem cuidado.
A vice-reitora Gisele Alves de Sá Quimelli fez menção à importância histórica da passagem dos 80 anos do CAAR, “para entendermos as contradições que perpassam nessa trajetória, as dificuldades e as conquistas, como e porque acontecem. “Temos que entender esse processo, saber o que aconteceu e porque aconteceu e a partir disso termos a superação. Conhecer e superar faz com que estejamos a frente e sejamos cada dia melhores”.  Concluiu, dizendo que o CAAR forma homens e mulheres que fazem a diferença a sociedade.
Encerrado o ato cívico, seguiu-se a premiação dos vencedores dos concursos de redação, poesia e logomarca dos 80 anos. O certame de redações e poesias teve a coordenação dos professores da disciplina de Português, Iluir Favero Borsato, Rosenilda Xavier e Odenir Follador. Na redação, pela ordem, foram premiados Milton Kwaitkoski Júnior (2º B); Jeniffer Luber (3ºC), Yasmin Luana Gomes de Melo (3ºB), Jessica Elimari Oliveira Nadal (2ºA), Caio Perini Amorim (3ºC) e Mizael Santos da Silva (3ºA). O concurso de poesia premiou Eduarda Aparecida Rubik (3
B), Ana Carolina Dorado Gaertner (2ºB), Alan Casturino Pereira de Lara (3ºC), Kemelyn Marcondes (1ºC), Jessica Rodrigues (1ºB) e Jackson Gaudeda Inglês de Lara (1ºC).
A competição para a escolha da logomarca dos 80 anos teve a votação dos alunos do colégio. Do 1º ao 8º lugar, foram classificados Marcelo Willy Cordeiro Knau (3ºB), Júlio Severiano Pereira Júnior e Igor Diego Hilgemberg (1ºA), João Gustavo Orloski (2ºA), Katheen Aline Wendt (2ºA), Ana Cecília Ferreira Stremel (3ºC), Francisco Tullio Carneiro (3ºB), Jeniffer Lauber (3ºC) e Barbara Hellen Sowinski Alves (2ºB).
A programação seguiu com a inauguração da placa alusiva aos 80 anos no hall de entrada do colégio e visita à exposição de fotos históricas do CAAR. Na sequência, ocorreu a inauguração do Conjunto Arbóreo, com participação especial da Banda Lyra dos Campos. O local recebeu 56 árvores de 11 espécies nativas e frutíferas. Na confraternização de encerramento, no restaurante universitário, foi um servido um bolo alusivo aos 80 anos.